Modificação da incisão para protocolos de maxila

Incisão para protocolos de maxila
Incisão para protocolos de maxila: Rafael Manfro apresenta uma alternativa para melhorar a qualidade do tecido mole peri-implantar.

Neste caso clínico, Rafael Manfro apresenta uma alternativa para melhorar a qualidade do tecido mole peri-implantar. A ideia do autor é sugerir uma modificação da incisão para protocolos de maxila, permitindo que os casos terminem com mucosa ceratinizada ao redor dos pilares protéticos, diminuindo assim a remodelação tecidual e a necessidade de reembasamento das próteses, minimizando o desconforto fonético e facilitando a higienização.

A incisão deve ser realizada na vestibular do rebordo em gengiva inserida (Figuras 1 a 3). Após a instalação dos implantes e componentes, o retalho deve ser reposicionado e uma pequena incisão semelhante a um segundo estágio deve ser realizada para expor os componentes protéticos. Dessa forma, o tecido palatino vai “abraçar” o componente protético, resultando em mucosa ceratinizada ao redor do componente (Figuras 4 e 5).

Nos casos em que existem dentes que ainda serão removidos, deve ser realizada uma incisão vestibular logo acima da cervical do dente mais alto e outra por palatina, também acima da cervical dos dentes (Figura 6). As papilas dentárias serão removidas junto com os dentes e o processo alveolar. Após a instalação de implantes e componentes, o retalho é reposicionado e, assim como ocorre nos pacientes edêntulos, são feitas pequenas incisões na mucosa palatina para expor os componentes (Figura 7).

Confira as imagens do caso clínico com incisão para protocolos de maxila:

Translate »